segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Prólogo



                       Acordo sombrio
                          Prólogo
Ayla fazia tanta força que sentia dor em todos os seus músculos à medida que o bebê estava saindo de seu corpo. Seus cabelos, suados, estavam grudados à testa, ela gritava, rasgando a garganta como se isso fosse lhe trazer algum alívio. E duas mulheres ajudavam a retirar o bebê. O parto era prematuro e a mãe era tão jovem... A criança corria sério risco de ficar entalada no meio do caminho.

Um ano antes, Ayla havia conhecido um homem. Ele lhe seduzira com seus charmes e quando ela vira, já era tarde demais. Estava grávida. Mas o pior estava por vir, pois o que ela não sabia era que o homem galanteador era um invasor da civilização. Era um mortal. E sua família jamais aceitaria a criança, pois um meio mortal era considerado proliferação contaminada para a espécie. Iria contaminar a pequena cidade imortal com genes humano. Porém Ayla decidira fugir para ter e criar a criança sozinha, depois de várias ideias absurdas terem lhe passado pela cabeça, inclusive aborto e suicídio. Duas amigas a ajudaram a colocar o plano em prática e as três conseguiram se estabelecer em uma pequena cabana longe da vila.

Agora, todas estavam preocupadas com o destino do bebê que resolvera nascer antes do esperado e corria sério risco de vida. As mulheres, Anna e Sofia, estavam aflitas enquanto uma se dividia entre enxugar o suor de sua testa e apertar a barriga de Ayla e a outra aguardava a saída do bebê.

Depois de um longo tempo fazendo força, gritando e, principalmente, lutando pela vida do filho, Ayla conseguiu dar a luz à criança que chorou assim que teve contato com o gelado do mundo do lado de fora. Mas ela perdera muito sangue.

Assim que todas sorriram pela grande vitória concebida, um homem surgiu. Em um terno preto e elegante ele estava sério e encarava a cena com nojo nos olhos.

- Pai? – Ayla conseguiu sussurrar, sem acreditar no que via.

- Não acredito que você foi capaz de pensar que eu não viria atrás de você, Ayla. Como você pôde trair sua própria espécie, dando a luz a esta criança?

- É meu filho! – ela gritou, chorando – E sendo contaminado ou não eu faria qualquer coisa para protegê-lo. Ele não tem culpa pelos erros que eu cometi, papai.

- Sinto muito. – ele disse – Mas ele vai pagar por eles. Eu não aceito proliferação contaminada em minha família.

Acontece que a família de Ayla era superior em sua civilização. Eram como reis, e Ayla, como princesa, deveria ser um exemplo entre as mulheres. Um meio humano colocaria em jogo todo o poder que eles tinham e toda a vila se revoltaria.

O homem tomou a criança dos braços de Anna e a levou consigo, deixando todas as três mulheres sem ação.

- Não... – Ayla derramou a última lágrima antes de perder a vida para sempre.

      .............................................................................
Oi, gente!
Meu nome é Pietra Assunção, mas podem me chamar de Pietra mesmo. Esse é um humilde blog. Meu primeiro. Espero que tenham gostado do prólogo da história que eu e minha amiga escrevemos! Beijos

6 comentários:

  1. Do que se trata seu blog?Vampiro?Oba!
    Eu adorei,assim que postar no meu blog eu divulgo tá?Espero te ver lá mais vezes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aham! kkkk
      obrigada,linda, pode deixar! :D
      Bjks

      Excluir
  2. Hein vc podia me ajudar com o meu blog?
    E se você se sentiu ofendida com aquela postagem, desculpa, mas não era a minha intenção.
    Eu perdi muitos seguidores e quero eles de volta.
    me ajuda?
    http://amorquematajemi.blogspot.com.br/
    http://tudoqueeumaisqueroevoce.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tudo bem, amore, divulgo sim!
      não, pra ser sincera, eu nem conhecia seu blog até pouco tempo!kkkk
      bjs

      Excluir
  3. Oi nova aqui u.u
    Adorei viu,super curiosa
    Para mais <3 <3 <3 <3 <3
    Posta logooo viu u.u
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. seja muito bem-vinda, linda!
      kkkk obrigada!
      postado!
      beijos

      Excluir

O que você achou? :)

 renata massa